5 erros que um baterista não deve cometer

Compartilhe nas redes sociais!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Pode parecer clichê, mas existem alguns erros que os bateristas não devem cometer durante a execução do som. Trazendo risco para a sonoridade, essas falhas podem influenciar muito na produção musical.

E pensando nessa importância de revisão dos erros e evolução, resolvemos trazer 5 exemplos de erros que não devem ser cometidos ao tocar uma bateria, confira:

Posição errada dos pratos, tambor e caixa:

Esse é um aspecto que influencia muito no som. Em relação aos pratos, é recomendado deixá-los o mais próximo possível e não muito altos, pois, assim evita-se uma possível lesão no ombro, portanto deixe os pratos em uma posição mais confortável para você. Em relação ao tambor, é recomendado deixá-lo em um nível baixo também, de preferência longe da altura do peito e próximo da altura da barriga. Já a posição mais recomendada da caixa é deixá-la a uma altura de três a quatro dedos do joelho, pois, nesse enquadramento a caixa ficará em uma posição confortável para você usufruir de uma boa acústica, deixando o local mais adaptável também para a aplicação do rimshot.

Posição errada no assento:

Uma boa postura é superimportante para uma boa performance. A posição mais recomendada que existe para um batera é a posição que envolve a fixação das pernas em um ângulo de 90º, com a coluna reta e os ombros relaxados. Isso deixa o músico em uma posição favorável para exibição, pois, faz com que toda a bateria seja incluída em seu campo de visão, evitando falhas e potencializando o profissionalismo.

Pegada errada da baqueta: 

Esse erro é mais comum de ser praticado entre os intermediários e iniciantes, mas nunca deve ser deixado de falar. A pegada mais correta para uma baqueta é a que envolve o polegar e o indicador ao redor do objeto (pegada moderna). Isso porque deixa a baqueta livre para movimentação, aumentando a qualidade da acústica.

Fixação em um só ritmo:

Um batera nunca deve se prender a um só ritmo, seja para praticá-lo ou ouvi-lo. Para que uma evolução musical ocorra, é importante que haja um dinamismo de ritmo. Isso porque, com a adesão dessa prática, o baterista pode conhecer novas técnicas e estilos que possam agregar.

Falta de introspecção:

Conhecimento nunca é demais para um batera. É importante que durante sua evolução, o músico não entre em processo de estagnação. Não interessa o tempo de experiência, a procura por evoluções e parcerias nunca devem ser deixadas de lado.

Gostou dessas dicas? Acesse nosso blog para ler mais conteúdos incríveis para bateristas!

Siga a Orion nas redes sociais Instagram e Facebook.