André Dea

Nasci em Curitiba, PR, em 1986. Comecei a tocar bateria no ano 2000 e ingressei em sua primeira banda em 2001. Desde então, passei por alguns grupos na capital paranaense até juntar-se ao Sugar Kane, em 2007. Com o quarteto, me mudei para São Paulo, gravei três discos, dois EPs e dois DVDs ao vivo. De 2011 a 2016, fui integrante da banda Vespas Mandarinas, nela gravei um EP, um compacto, um DVD e o disco Animal Nacional, lançado pela gravadora Deck Disc. O álbum foi indicado ao Grammy Latino na categoria “Melhor álbum de rock brasileiro”, em 2014. Fui entrevistado por duas vezes pela edição brasileira da revista Modern Drummer, a maior do gênero no mundo, em 2008 e 2014. Atualmente, além de integrar as bandas Sugar Kane e Violet Soda, me dedico a diversos projetos, colaborando em gravações de estúdio e turnês com diferentes bandas e artistas solo, como Supercombo, Medulla e André Frateschi. Sou endorsee Orion Cymbals desde 2008.

Meu prato

Sou endorsee Orion Cymbals desde 2008 e com esses pratos encontrei o que precisava para desenvolver minha própria linguagem musical. Meu setup na estrada é composto por 1x X10 Crash, de 18″, 1x SOLO 20 Ride, de 20″, 1x BEX Brilliant Ride, de 20″ (usado como crash) 1x REVOLUTION 10 China, de 18″ e 1x SOLO 20 Hi-Hat, de 14″. Sempre gostei de pratos grandes, principalmente por causa de seu sustain e peso, por isso escolhi utilizar o ride BEX Brilliant como um crash. É um modelo extremamente versátil que atende de forma impecável minhas necessidades nos palcos e em estúdio.

Setup Orion

Hi-hat, de 14” – Solo 20
Ride Attack 19” – MS
Ride 20” – Solo 20
Control Ride  20” – MS