Valter Filho

Olá! Tudo bom? Sou baterista desde 1999. Este ano faço 20 anos de estudo, docência e prática ! Nestes 20 anos pude tocar com inúmeros músicos e formar e contribuir com muitas bandas! Hoje, integro as bandas Mensageiros do Vento, banda que apresenta um show único, que mescla o cinema à música ao vivo, e a banda PDA – Previsão de Alta, que vem com proposta autoral e com músicas cheias de energia.
Nesse tempo todo, tive possibilidade de trabalhar como produtor de eventos, diretor musical e sou técnico de som com estúdio próprio. Sabe qual o mais legal disso tudo? Minha história com a bateria começa com um prato da Orion. Um china Solo Pro. Nem sabia eu o que era uma bateria, mas foi o prato que me chamou atenção em uma loja aqui em Salvador. Foi o primeiro passo, para o que para meus pais pensaram que seria apenas uma fase, mas sempre foi minha vida. Logo após esse prato, já estava com um kit básico de bateria e atormentava os vizinhos, pois tentava copiar o que via em vídeos e na TV. Acredite! Tocava sem menor a técnica e descendo a porrada em uma bateria acústica, em um apartamento no 10º andar de um prédio. Os anos passaram e tomei aula com um ótimo professor de bateria da região. Em 6 meses, já estava dando os primeiros passos firmes com pedal duplo e descobrindo minhas referências. Enveredei pelos meandros do Rock e do Metal progressivo rapidamente, mas, com o estúdio, tive de aprender a tocar um pouquinho de tudo. Gravei CD de Arrocha/Sertanejo, algumas coisas da nossa antiga MPB e sempre me esforcei para tocar com músicos diferentes. Cada um ajudou na minha formação.
Hoje, sou um músico muito feliz na minha trajetória. Me uni a uma empresa formidável, que possui pessoas incríveis e seus produtos não devem nada a ninguém! Uma empresa nacional com um cast de funcionários super acolhedores e produtos variadíssimos! Hoje, posso dizer que visto a camisa de uma empresa que representa o meu sentimento e consegue transmitir minha identidade com o som e a qualidade de seus produtos! Sou Orion Cymbals!

Meu prato

A escolha dos pratos vem de uma experiência já pregressa com a marca. Escolhi a série Rage 10 por ter usado a antiga Rage Bass e por procurar um prato que me desse possibilidade de controlar todo o poder que ele tem. Essa linha me deixa muito confortável para tocar qualquer estilo. Os pratos são muito resistentes e consigo controlar a dinâmica e a intenção do meu play em cada música que executo.
Em específico, escolhi pratos de medidas grandes, para ter mais flexibilidade do prato. O som vem mais cheio quando ataco com força ou faço uma condução mais severa, e consigo um som com corpo considerável, quando quero um acento leve.
O prato indispensável em um set e que acaba sendo a característica básica do som do baterista é o Hit Hat na minha concepção. Escolhi o modelo Rage 10 de 14 polegadas por ter esse range de possibilidades. Consigo, com ele, tocar desde um Reggae ou um Pop a um Metal bem pesado.
O segundo prato que escolhi para meu som é o Crash, que, para mim, é indispensável que esse prato seja muito flexível sonoramente e que tenha condições de me proporcionar volume quando preciso. Escolhi o Power Crash de 18, pois ele se insere perfeitamente no meu kit e na minha ideia de som. Identidade define esse prato.

Já que falamos de identidade, nada melhor do que efeitos, para dar um bom molho ao som. Escolhi sem medo o Splash de 10 da mesma série, adquirindo 3 unidades desse modelo. O som é bem peculiar: ele consegue ser agressivo e, ao mesmo tempo, ele soa como um Splash que cobre aquele vazio em uma música mais leve, substituindo até um Crash.
Outro efeito que escolhi foi o Control Splash da MS de 8. Um prato muito leve, supersensível e versátil. Uso ele como stax com um dos splashes de 10 Rage. A combinação ficou incrível e me surpreendeu sua resistência e versatilidade sozinho e junto ao Rage.
O próximo prato eu escolhi por um motivo bem claro: precisava de algo cortante e ao mesmo tempo que eu pudesse conduzir nele sem ser muito agudo. Caiu como uma luva! Recomendo muito o China Type de 18 polegadas. Me atende perfeitamente nos momentos de ira e nos momentos mais suaves.
Por fim, o prato que sempre tive curiosidade de conhecer. O Mega Bell de 22 da X10. Um prato difícil de dominar pois tem Ping bem definido em todo o seu corpo. Com isso, tive de conhecer bem ele para conseguir tocar com uma certa destreza. É um monstrinho: super som, definição e potência! A sensação, ao tocá-lo é como se eu estivesse dirigindo um daqueles Monster Trucks! Esse prato definitivamente é o prato que fecha o kit com maestria e dá o brilho que faltava ao set, dando-lhe uma clara referência de identidade sonora.
Estou muito contente com essa seleção de pratos. Com ela, consegui unir o meu lado mais pesado ao lado mais eclético em um único kit, tanto para ensaios quanto para shows e gravações. E o mais impressionante é que não vejo nenhuma diferença entre os pratos da ORION para pratos de NENHUMA marca do mercado mundial. Defendo sempre que devemos valorizar o material nacional. A Orion não deve em nenhum quesito a nenhuma marca do mercado. Definitivamente, estou realmente satisfeito com o som, com a qualidade e com toda a minha relação com as pessoas envolvidas com a Orion Cymbals.

Setup Orion

Control Splash 08″ MS
Splash 10″ Rage 10
Hi Hat 14″   Rage 10
Power Crash 18″ Rage 10
Mega Bell 22″ X10
China 18″  Rage 10