Bateria acústica e bateria eletrônica: entenda a diferença

Bateria acústica e bateria eletrônica: entenda a diferença

Compartilhe nas redes sociais!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

A bateria acústica e a bateria eletrônica são dois instrumentos incríveis! Apesar do peso histórico da bateria acústica, e as diferenças sonoras existentes entre os dois tipos, ambos os modelos são interessantes para a prática. Cada uma possui as suas especificidades, e cada uma se encaixa para uma determinada situação.

Quais as diferenças entre as duas?

As baterias eletrônicas são caracterizadas pelo som menos natural que é reproduzido por elas. Enquanto a bateria acústica produz um som natural único, a bateria eletrônica tem como base estrutural a simulação dos sons que são produzidos pela bateria acústica. Apesar de conseguir reproduzir diversos sons com um só conjunto, a bateria eletrônica não consegue se igualar à naturalidade única e singular dos pratos, tambores e caixas da bateria acústica.

Outro ponto em que as baterias acústicas e eletrônicas se diferem é a ocupação de espaço, afinal naturalmente as baterias acústicas ocupam um pouco mais de espaço. Com uma média de 70 cm de largura, a bateria eletrônica ocupa menos espaço do que a bateria acústica, que geralmente tem uma largura que varia entre 1,5 a 2 metros de largura, podendo chegar a mais dependendo da bateria.

O som reproduzido essas baterias se diferem também, pois, a bateria eletrônica possui saída para fones de ouvido. Mas, a bateria acústica consegue se igualar nesse quesito, com a utilização de kits abafadores ou através do isolamento acústico, uma técnica feita com painéis usada para impedir a passagem de som para outros ambientes.

 

A Voz dos bateras:

Robson Caffé:

Vantagem de se ter uma bateria eletrônica: ocupa pouco espaço, a emissão sonora é menor, a variação de timbres que é grande – porque elas têm mais bancos de memória. Além da facilidade em relação ao estudo, considero um pad de estudo de luxo – quando desligada.

Desvantagem: Perde a sensibilidade em forma de expressão, algumas questões de dinâmica ficam e um limite pré-ajustado. A performance fica reduzida por conta disso, os efeitos de pratos, mesmo com as baterias mais desenvolvidas de marcas que criaram pratos extremamente tecnológicos que fazem o  choke (bater e segurar o prato), mas mesmo assim você não consegue fazer um crescendo, usar uma baqueta de feltro, então você ainda fica muito limitado na questão da expressividade.

Outra desvantagem, é que visualmente, quando você vai fazer uma apresentação ao vivo, ela “perde muito”, além da questão de limitar na questão da corrente elétrica. “

Baterias hibridas: As baterias hoje em dia – 3 anos pra cá – tem ficado em destaque, porque as pessoas tem colocado módulos, às vezes, no lugar dos tons o que antes era uma peça ou outra para disparar algum efeito, se tornou um hi hat de efeito/tom de efeito ou outras possibilidades, e agora são módulos gravados.

As baterias hibridas têm cada vez mais conquistado espaço em meios como o gospel ou mesmo no pop. Algumas marcas desenvolveram uns pads eletronicos rins, que quer dizer aro, são peças para fixar no aro para disparar um ou outro som. Com isso você consegue manter a parte da bateria acústica, modificando sons e alguns elementos com essa questão.

“Eu acho que o futuro reserva muito espaço para as baterias híbridas.”

Minha opinião sobre isso, é viva a bateria acústica e a forma de expressão, e outra, vamos concluir toda a história.

Só a bateria acústica pode provocar a paixão, ninguém se apaixona por uma bateria eletrônica. Todos/as que se apaixonaram por bateria viram uma bateria acustica brilhante, bonita e com uma pessoa fazendo uma performance.”

 

Lulu Batera:

“A bateria eletrônica não substitui a acústica e isso nunca vai acontecer, porque a bateria eletrônica é uma simulação da bateria acústica, de acordo com a qualidade da bateria eletrônica. 

Algumas vantagens da bateria eletrônica, é o fato de poder tocar com o fone de ouvido e não ter o volume que a bateria acústica traz, mas durante todo o meu tempo – com as duas baterias – não conseguimos substituir. 

Uma das coisas que eu mais escuto as pessoas falando é que a bateria eletrônica vai substituir a acústica, mas isso não vai acontecer, porque por exemplo: nos pratos, por melhor que seja a bateria eletrônica, o som nunca vai chegar próximo aos acústicos. 

Para você ter um som de bateria eletrônica bom, você vai precisar investir muito dinheiro.

Outro ponto é a questão da durabilidade, a bateria eletrônica é feita de componentes eletrônicos e o desgaste é maior que o da bateria acústica. 

O equipamento acústico bem cuidado dura mais de 10 anos, claro que dependendo de onde você mora isso pode mudar.”

 

Agora que você já sabe quais são as principais diferenças entre a bateria acústica e a bateria eletrônica, é só escolher a opção que melhor te favorece!

Vai optar pela bateria acústica? Entre no site da Orion Cymbals (www.orioncymbals.com.br) e confira as diversas opções de pratos para sua montagem! Siga-nos nas redes sociais para acompanhar as novidades, estamos no Instagram e Facebook.