fbpx

Confira a entrevista com Karen Aglaé Casseb

Conheça um pouco sobre a trajetória e história da integrante das Hi Hat Girls

Karen Aglaé Casseb – Com uma carreira construída com participações em algumas bandas diferentes e aulas de percussão, Karen entrou para o mundo da música aos 13 anos, quando começou a tocar bateria. Pouco tempo depois já formara sua banda.

Participações importantes

Após ganhar experiência, Karen participou de alguns projetos importantes de bateria e percussão, como o grupo de percussão FCG. Participou também de algumas bandas e integrou gravações de alguns CD`S e DVD`S, destaque para a gravação de CD com o maestro João Bosco, grande artista do cenário musical brasileiro com uma vasta carreira repleta de cd`s e músicas de sucesso, além dos shows internacionais e projetos educacionais de orquestra.

Além disso, atualmente Karen está montando um projeto para formar uma escola de Samba em pleno EUA, local onde está morando hoje em dia.

Inspirações

É de praxe um músico ter inspirações e bases musicais, e Karen possui as delas, como Buddy Rich. Com uma vasta e respeitada carreira, Buddy possui álbuns de sucesso e shows por todo o mundo. Com técnica refinada, Buddy é considerado um dos maiores bateristas da história do Jazz e possui parcerias com orquestras de sucesso e artistas renomados, como o baterista histórico Gene Krupa.

Além de Buddy, Karen se inspira também em Jim Chapin. Com um tamanho imenso no mundo musical, Chapin é conhecido pela sua genialidade na velocidade, potência e coordenação da bateria, e com isso, conquistou um status notável entre os bateristas de Jazz. Em sua vasta carreira possui álbuns solos de sucesso e um lançamento de um livro sobre aula de bateria, o que com o tempo iria virar um dos maiores livros d ensinamento de bateria da história, se tornando peça-chave para praticantes deste instrumento.

Hi Hat Girls

Karen participa das Hi Hat Girls há muito tempo. O projeto que começou com um objetivo de inspirar mulheres para ingressarem no mundo da música, iniciou em forma de revista on-line no ano de 2012. Formado por mulheres bateristas, a revista possuía o ideal de ensinar e apoiar outras mulheres bateristas, e este projeto durou até 2016, quando saiu do formato de revista para o formato de oficina. E foi neste ano de 2016 que Karen ingressou no projeto e com a ajuda dela e de outras professoras, as Hi Hat Girls conseguem conhecimento e inspiração para muitas mulheres ao redor do país.

Confira a entrevista completa com a Karen Aglaé

  1. Conta pra gente, quando você começou a tocar bateria?

R: Eu comecei a tocar aos 13 anos vendo o ensaio dos meus irmãos que tinham banda e o ensaio era na casa da minha mãe que sempre nos incentivou, e shows aos 14 anos com a minha primeira banda de rock and Roll, hard rock, Jazz,  Blues , nome da banda ( Flamendiallis) Belém Pará- Brasil

  1. Quem são suas inspirações na batera?

R: Minhas inspirações são muitas, começou admirando o meu irmão a tocar, depois Buddy Rich, Gene Krupa, Jim Chapin ,Steve Gadd, Steve Smith, Jack de Joonett, John Bonham, Neil Pearl, Vinnie Colaiuta, Scott Henderson, Steve Jordan, Dennis Chambers,
Lilian Carmona, Vera Figueiredo, (Viola Smith,(106 anos e toca bateria), Karen Carpenter, Sheila E., Cindy Blackman, Duda Neves, Cláudio infante, Kiko Freitas, Oscar Bolão, Pascoal Meireles, Milton Banana, Peter Erskine,  Terry Bozzio, Stewart Copeland aaahhh… muitos outros .

  1. Quando você entrou no Hi Hat? E como foi?

R: Começou com uma entrevista para a revista on-line Hi-Hat Girls em 2016. Com mais esse trabalho genial da grande Julie Sousa, a partir daí estamos juntas para avançar com ondado feminino que está crescendo cada vez mais com os tambores e instrumentos gerais.

  1. Como você se sente após cada Oficina ministrada?

R: A cada oficina eu vejo o poder de realizações, a mulheres jovens e crianças que amam a música  e não tiveram a oportunidade de aprender estudar e tocar ou conhecer o instrumento… E através desse belo projeto, me encanta ver o brilho no olhar de cada menina ou mulher , não importa a idade , e ver que também podem alcançar, vencer os obstáculos da vida e através da música com o instrumento nas mãos, mostrar o verdadeiro prazer de viver e se sentir livre … Algumas seguem outras percebem que podem vencer em tudo que fizerem na vida , apenas precisam de oportunidades …
E nós educadores temos o dever de educar, ensinar e abrir novos horizontes na vida dessas pessoas que sonham e podem continuar os seus sonhos realizando- os e alçando grandes voos na vida pessoal e profissional dentro da sua dignidade humana.

  1. Você tem uma banda? Se sim, conta pra gente um pouquinho sobre ela!

R: Banda já tive várias, já fundei orquestra de berimbau só para mulheres, quinteto de bateristas, já toquei em orquestra, inclusive a minha última banda no Brasil foi com excelentes professores do conservatório Carlos Gomes, como banda base para os alunos terem a oportunidade de cantar ou tocar outros instrumentos junto conosco para começarem a ter oportunidades e perderem o medo como iniciantes no palco como um karaokê. Hoje moro nos USA e integro uma nova banda, na qual agora farei parte e é novidade. Além disso tenho outros projetos em mente, como ter o meu espaço e minha escola aqui na cidade de Canton Connecticut, a Samba de Bambás.
Grata por mais essa oportunidade.
É sempre um grande prazer e participar com os pratos da Orion. É sempre magnífico e encantador com os seus timbres que encantam e a cada dia avançam e melhoram os seus timbres. Parabéns a Orion e desde já agradeço a parceria com esse projeto incrível como as Hi Hat girls. Eu sempre estudei com os pratos da Orion e gosto muito, um grade abraço a todos que se unem para fazer o bem melhor e através da música.

Fechar Menu